A importância do sistema de exaustão para fumos de solda para a sua empresa

7 min. leitura

A poluição é, ou pelo menos deveria ser, uma de nossas maiores preocupações. Muitas indústrias possuem atividades que durante seus processos acabam lançando produtos tóxicos no meio ambiente. Os mais comuns estão na forma de vapores, poeiras e gases. O que muitos gestores não sabem é que a liberação desses produtos pode lhes trazer grandes problemas. Os problemas só não são maiores que para os trabalhadores. Isso porque há grandes riscos químicos. Fumos metálicos, vindos da solda, são os grandes causadores desses riscos.
 

Mas o que são fumos de solda?

O processo de soldagem emite substâncias altamente tóxicas que originam em um pó conhecido como fumos de solda. Quando um trabalhador inala esse pó, põe totalmente em risco a sua saúde, enquanto que a empresa compromete sua produtividade, influenciando nos lucros. 

Hoje em dia, as empresas trabalham com diversos elementos para soldagem, como o Níquel e o Chumbo. Esses dois materiais são altamente tóxicos e aumentam os riscos de contrair uma doença. Há uma lista de fumos de solda. Insalubridade é a principal característica levada em consideração para elencá-los. Você pode conferir clicando aqui.

Os fumos de solda, como já mencionado, é o resultado de uma reação puramente química. A geração desse pó tóxico vem por meio da vaporização do metal de adição no momento da solda. Após isso, o vapor se resfria, acaba se condensando ainda mais e entra em reação com o oxigênio do ambiente. Todo esse processamento resulta em partículas finíssimas (e quanto mais finas, mais tóxicas).

Entretanto, a toxicidade dos fumos de solda está relacionada também aos próprios gases oriundos no processo de soldagem. Os responsáveis por isso são nossos grandes conhecidos: o ozônio e o dióxido de carbono. Se a exaustão desses gases não for completamente adequada, os danos à saúde podem ser ainda maiores. 
 

Doenças causadas pelos fumos de solda

Uma vez inaladas, essas partículas se constituem dentro do organismo (principalmente no pulmão), oferecendo riscos e ocasionando em doenças. Os fumos de solda são os responsáveis por doenças que poderiam ser facilmente evitadas, caso houvesse o cuidado necessário. Entre elas: 

Asma: uma doença inflamatória crônica das vias aéreas. Ocorre quando há inflamação dos brônquios, reduzindo a passagem de ar. Pode causar tosse, falta de ar, chiado e aperto no peito;

Câncer de pulmão: em síntese, um tumor caracterizado pelo crescimento desorganizado de células malignas e que pode causar a morte;

Dermatite alérgica: uma reação alérgica ocorrida na pele em decorrência do contato com uma substância irritativa;

Doenças pulmonares: as mais comuns são bronquite, tuberculose, enfisema pulmonar e pneumonia;

Infarto: ocorre quando as artérias, responsáveis por levar oxigênio ao coração, são obstruídas por um coágulo de sangue;

Infertilidade: está relacionada à dificuldade de se reproduzir; 

A maioria dessas doenças estão ligadas diretamente ao sistema respiratório. Pensar na saúde do trabalhador é uma tarefa conjunta entre ele e a empresa como um todo. Sempre é melhor prevenir do que remediar. 
 

Como prevenir riscos com um exaustor de fumos

É dever de toda empresa se preocupar com a saúde de seus colaboradores e encontrar soluções é indispensável. É importante seguir normas estabelecidas como a NR-9 e a NR-15. Fumos metálicos são, sem dúvida, uma das maiores preocupações que os gestores devem levar em consideração ao estudarem essas normas que explicam justamente as medidas de prevenção e quais os equipamentos indispensáveis para a realização do processo de soldagem. 

Entre outras ações, consta a implementação de um sistema de ventilação e filtragem. Esse sistema, responsável por evitar o contato direto entre os trabalhadores e as substâncias tóxicas, é conhecido como respirador para fumos de solda. 

Um sistema de ventilação local exaustora é imprescindível, pois capta os gases tóxicos direto na fonte. Ele remove o ar contaminado por meio de um exaustor de fumos de solda. Alguns especialistas comentam que o objetivo desse sistema é capturar os poluentes através de uma corrente de ar com uma determinada velocidade, promovida por dispositivos conhecidos como captores.

As empresas que dispõem de um sistema para exaustão de fumos devem seguir sempre os conceitos da engenharia para que a saúde de seus trabalhadores não esteja em risco. Um exaustor de fumos é composto por quatro partes principais: o captor, o sistema de dutos, o ventilador e o sistema filtrante de controle de poluição de ar. Cada parte é fundamental para a execução perfeita do sistema e deve ser verificada sempre que possível.


Leia mais:
POR QUE TER UM PROJETO DE VENTILAÇÃO INDUSTRIAL?
COMO OPERAR UM PROJETO DE EXAUSTOR DE PARTICULADOS